sexta-feira, 3 de julho de 2015

Alforria.

Internet - desconheço autoria


Em tempos de alforria
em tantas almas se via
na leveza da pele alva
uma estranha alegria...

É como se um vento
elevasse o corpo
para que o tempo
fosse o alento...

Na mão do teu encanto
toda uma vida corria
e deitada - envolta se via
escondida de si em cada canto...

E a prece - fixa à parede
esconde o real amor...
Em tanta distância e frescor
leva longe a dor...

Ing

3 comentários:

Lindalva disse...

minha querida Ingrid que felicidade ter que sentir novamente perfumando o Pena de Ouro.
Minha amiga as regras como deves ter lido se encontra nesta sala

http://ostra-da-poesia.blogspot.com.br/p/pena-de-ouro.html

e olha o prazo de inscrição termina domingo e já temos 12 poesias inscritas... corre :-)

beijos no coração.

✿ chica disse...

Ingrid, sempre fico feliz quando te vejo com nova poesia.Outra linda nos trouxeste!Adorei! Ótimo fds! bjs, chica

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Ingrid.
A alforria, nem todos a têm.
Ainda tantos em busca dessa alegria.

E nós, na nossa liberdade, andamos, por vezes enganados, pois que somos eternos escravos duma sociedade sorridente, apesar da agonia.

bj amg