sábado, 23 de setembro de 2017

Estou sozinha de olhos abertos para a escuridão.



Internet - Tïj





Não me cante canções do dia, pois o sol é inimigo dos amantes. 
Cante as sombras e a escuridão, cante as lembranças da meia-noite.
Safo.


Olá,

Sabe que hoje se fez um dia interessante.
Estou eu aqui, sozinha, de olhos abertos para a escuridão que me rodeia.
Estou aqui pensando e sentindo toda a intensidade deste dia nesta noite insone...

Pela janela aberta entra a fresca brisa da noite que vem acalentar meus pensares.
O farfalhar das folhas ao vento é som que não embala meu sono.
Quanta pele passou por meus dedos, quanto calor esteve imune ao suor que refresca...

Saber-me a cada dia, imersa na intensidade deste caminhar sem fim, sem prumo, e que encanta em cada toque – se toque...
Deixar-me levar sem pensar no futuro ou sequer na hora seguinte – expulso um bocejo teimoso – e sigo em busca de mais luz.

Voar em torno da lâmpada é suicídio – mariposas – mas existe toda a magia que atrai de forma ardente e brilhante.
E por vezes foi assim que me senti. Sem ter noção se rumava ao fim.

Mas não vou alongar estes devaneios que fecham o meu dia, e que me mantém desperta até esta tardia escuridão.
Que a noite brilhe em meus sonhos trazendo o calor que o dia encobriu.

Até.
Ing,

Projeto Scenarium Plural
Missivas de Setembro

Um comentário:

Eros disse...

Que a escuridão te garanta uma luminosidade harmónica.

Beijos, Ingrid!