sexta-feira, 1 de abril de 2011

inquieta.

                                                                                                         Internet
Me arrasto e me debato
crio rastros e sons..
te espero nua na alma
e no corpo a névoa
é luz e inquietação..

Sem véus me mostro
na maresia de manhãs
plenas de marcas
de teu delicado toque..

Trama única que arrebata
me domina em cumplicidade
íntima de mim
em gozos infinitos
a despertar da terra..

Longe o bafejar quente
seduz e suspende o corpo
em sagrada eternidade
me fazendo tua..

Ing

18 comentários:

Letícia disse...

É um tipo de amor eterno,
Paixão arrebatadora,
que queima em mim.



Beijos!

Betha Mendes disse...

Lindo, Ingrid.
Sensual e forte, muito forte!

bjs

Betha

Van disse...

Quanta entrega
imagem incrível rima perfeita com o poema

Beijos Ingrid

Vinicius.C disse...

Alguns amores são eternos na eternidade de cada um.

Sentir não igual e nem se mede, sentimos sozinhos sempre mas é sempre bom demais!

Adorei seu texto Ingrid!

Que vc tenha um ótimo fds!

Um beijo te espero no Alma.

Vinicius

Jorge Pimenta disse...

querida amiga,
nudezes de pele consagram-se nas pequenas eternidades, mesmo que no debate ou na inquietação da ausência e da distância. há tanto mais para além do corpo e da estrada... ainda que invisível.
beijinho!

Ingrid disse...

linda Letícia,
nada é eterno.. nada..
beijos carinhosos..

Ingrid disse...

Betha ,
bom te ver aqui..
beijos

Ingrid disse...

linda Van,
se entregar..
tudo tão intenso.
beijos e bom findi

Ingrid disse...

olá Vinícius,
e cada um de nós tem a eternidade em um momento..
beijos

Ingrid disse...

Jorge querido poeta,
vislumbramos na ausencia um caminho por vezes tão tortuoso..
e o tempo..
beijos

Maria Luisa Adães disse...

Ingrid

Pondera bem, analisa melhor e pede
a Deus que te ajude (eu peço contigo) para que "A Velha Senhora"
a que eu chamo dor ( e é dor) nunca se aproxime de ti).
E sem culpar ninguém e sem má vontade, vendo apenas a realidade:

A dor aborrece os mais próximos e
os amigos também.
A dor é como nascer - nascemos sós
A dor é como morrer - morremos sós.

"Amigos, só para festas tentadoras,
Nunca para partilhar a dor..."

É a minha verdade sem ficção...mas
aceito a tua dúvida que no fundo,
é a tua verdade!

Com carinho, agradeço,

Mª. Luísa

Colecionadora de Silêncios disse...

Ingrid, querida, que poema magnífico!

Vc é toda sensibilidade... e isso a gente percebe nos versos de forma bem plena. Parabéns!

Beijos

meus instantes e momentos disse...

que bonito de ler, de imaginar, de sentir.
Maurizio

AC disse...

Ingrid,
Não me canso de dizer, as suas palavras encantam-me!

Beijo :)

Ingrid disse...

Maria Luisa amada,
só posso imaginar tua dor..
beijos

Ingrid disse...

Colecionadora,
escrevo o que sinto.. que bom que te faz bem.
beijos querida

Ingrid disse...

Obrigada Maurizio pela presença..
e pelo sentir.
beijos perfumados

Ingrid disse...

AC querido amigo,
obrigada pelo carinho.
beijos perfumados