quarta-feira, 20 de outubro de 2010

fragmentos.

Ouço de tua boca, sinto tua alma
córregos de dor que vertem lamúrios..

Em transparentes gotas vislumbro teu olhar
como marés ao luar rompendo sensações..

Me movo em brumas leves obscurecidas pela tua sombra
e navego em águas do desejo que me toma..

São o grito quase rouco que silencia
e em pálido torpor se recria..

Ing
imagem: Brumas

2 comentários:

Pablo Rocha disse...

Intenso! Foi possível sentir cada verso como se estisse vivendo sua poesia. Um ritmo cadenciado que permite desgustar bem as senseções. Muito bom conhecer seu espaço e suas belíssimas poesias, Ingrid.

Parabéns pelo talento.
Beijos!

Ingrid disse...

obrigada pela visita Pablo.Um beijo.