domingo, 31 de outubro de 2010

meu abismo.

Te vejo em sonhos
cheio e belo..
Te cheiro em devaneios
querendo penetrar
em pensamentos..
é vida que escorre
em riachos frios
onde se ve o brilho
do sol que reflete
que brilha em ouro..
São vozes e me falas
ao pé do ouvido
arrepios de flor..
o silencio busca
me assusta
e escorrega
para o abismo
do nada..
Ing

8 comentários:

Assis Freitas disse...

abismo é mergulho e pode ser re-descobertas,



beijo

Ingrid disse...

sempre caro Assis.. sempre!
um beijo.

Nilson Barcelli disse...

Todos nós temos os nossos abismos.
Mas convém que a atracção por eles não seja excessiva...
Excelente poema, querida amiga Ingrid. Gostei muito das tuas palavras.
Beijão.

Pablo Rocha disse...

Poesia intensa. Acho q comunicou um pouco com meu abismo particular.
beijos, Ingrid!

Ingrid disse...

Nilson,
por vezes ver nosso abismo nos faz manter a cabeça para fora e viver ..
um grande beijo.

Ingrid disse...

Pablo,
todos temos nossos abismos e nele conseguimos forças para nos conhecremos mais.
beijos.

João Lenjob disse...

Nossa!! Obrigado pela consideração!! Seus versos também são muito bons.
Peço por gentileza que visite http://castelodopoeta.blogspot.com que é um Castelo ornamentado de arte. De todas e hoje tem uma entrevista com uma das atrizes de ponta da capital mineira, a Lívia Gaudêncio.
Aguardo você lá. Beijo!!

João Lenjob.
Nova Paisagem
João Lenjob

Quero um sonho novo
E uma nova paisagem
Um novo tempo, instante
Uma outra forma de castidade
Eu quero ver o meu amor
Sentir seu silêncio, seu momento
Seus olhos, ver seus olhos
Sentir como serena o meu desejo
Como orvalho cai em seus anseios
Quero me apossar do chão
Conversar com a lua
Tocar no meu violão a sua melodia
De noite, de dia, respirar seu sonho
Seu sonho novo que eu quero
E uma nova paisagem.

Ingrid disse...

João ,tua visita deixa perfume de palavras..