segunda-feira, 8 de novembro de 2010

poema do alento a dor.

Salvador  Dali

Correndo para teus braços me vejo
nas águas quentes do gozo
sem melodias ou acordes
linha tenue do amor ..

Rasgando a pele te sinto
em visgos entranhados
frios e silentes veios
que escorrem lamúrias..

Vivendo em dor e sem dor
busco volúpias ardentes
que me levem de volta
a teu mundo

que um dia vivi!..

Ing

8 comentários:

Maria Luisa Adães disse...

"Um dia viveste esse mundo...

"Vivendo em dor e sem dor"

E para alento da dor
o recordas com tormento
e sem tormento,
pois o aceitas
e o desejas.

Lindo esse dizer!

Beijos,

Mª. Luísa

Assis Freitas disse...

prazer e dor se entrelaçam em um mesmo abraço,


beijo

Cristiane disse...

Só suspiros! Fiquei arrepiada, Ing. JURO! Não posso ler essas coisas liiiiiiiindas! ahahah O.-

LuCordeiro: disse...

A gente sempre revive as dores e amores com um alguém em especial.Aí sentimos uma miscelânea de sentimentos mto pertubadores.Quem me dera esquecer por completo!

Mundo da Lili disse...

Ainn que lindo =)
Bjaooooooo

Betha Mendes disse...

Ingrid,

tão real,
tão surreal também,
porque viver é assim.
Lindo seu poema!

bj

Betha

Jorge Pimenta disse...

ingrid, é na dor e no júbilo que fervilham em todas as (re)acções humanas que nos vamos construindo nós mesmos. esta pátina escura e viscosa parece adstrita a um tempo fugido, mas acaba por escorrer não só para lá do presente; também para cá.
um beijinho!
o dali (imagino que seja) postado abrilhanta ainda mais este belo texto!

Ingrid disse...

Queridos amigos,
agradeço a visita e as palavras.
Estava viajando e acabei de chegar..
Vamos em frente!
beijos..